27 de agosto de 2012

CARTA AO MEU PROFESSOR



Postado em 26/08/12 por Roberta Fraga.

Dia desses eu me lembrei de um professor  de História que tive no, então, ensino médio. Era um bom professor: responsável, cobria seu conteúdo, falava sempre baixo, respeitava os alunos. Ele cumpria a sua tarefa, acreditava nela. Mas, ao me lembrar dele, sinto-me profundamente triste, triste e com uma pontinha de remorso.
Ao recorrer a essa memória, de onde ressaltei as qualidades do meu professor, veio, e, por isso mesmo eu o fiz, uma outra memória que remete a um aluno específico que humilhava constantemente o professor em sala de aula e fora dela. O aluno tinha um perfil de muitos outros alunos que podem estar lendo este post, por isso eu peço: de fato o leiam. O aluno era um rapaz daqueles cheios de hormônios, com poder aquisitivo que lhe dá poder de escolhas (das melhores escolhas) e que usa, sistematicamente, a sua energia e capacidade para coisas nocivas que prejudicam outras pessoas, patrimônio de outrem, ele mesmo.
E esse aluno perseguia o professor. E como perseguia. Tive sorte (acredito) de não ver o professor chorar. É certo, isso eu sei e isso eu vi, o professor chorava por dentro e dentre muitas questões de crença nas instiuições, fé na educação como saída (única saída) e acreditar no melhor do ser humano; o meu professor (meu querido professor) precisava colocar comida na mesa dos filhos. E precisava também ter um sorriso no rosto para chegar à mesa com seus filhos e familiares e não tirar deles o direito de acreditaem no ensino e nas pessoas.
O meu professor era negro e era humilhado pela sua cor.
Eu nunca ri ou participei das coisas que eram ditas contra o professor. Nunca ri, nunca participei, nunca me posicionei, nunca percebi a gravidade (exceto por agora), nunca fiz nada. Aí, reside o meu remorso.
E a lembrança que me resgata, também me pede para voltar no tempo e corrigir isso.
Uma consciência maior me atingiu agora de como uma pequena coisa, negativa como era, nem tão pequena como era, na verdade, fazia parte de um amplo quadro em que hoje estamos mergulhados no panorama da educação. Descaso, desrespeito, falta e incentivo, falta de fomento…
Uma verdade: não temos ensino, não temos educação. Considerar indicadores incluindo ilhas de ilusão de poder aquisitivo e ensino de qualidade, apenas quer dizer que estamos assolados em maioria, quantidade, qualidade e essência num tremendo vazio.
Nas viagens mentais que tenho feito quanto a isso, volto no ponto da ofensa e chego, ao final da aula e digo ao meu professor: “Obrigada, ótima aula professor!” Eu também interesso-me mais por seus assuntos, germino melhor suas sementes. Agradeço, elogio, reconheço.
Se por ventura ele estiver lendo, ouso repetir: Obrigada pela aula, professor! A sua contribuição foi e está sendo muito importante.
Se outros professores estiverem lendo esta carta, torno a sublinhar: Obrigada, professores! A contribuição de vocês é muito importante.
E volto da minha viagem, cheia de dúvidas e angústias:
Onde foi que deixamos de respeitar o professor?
Talvez a resposta esteja na coisificação do ser.
Ainda pretendo voltar no tempo e dizer a ele que não desista, que faça e aconteça!

 : 
Página Seguinte » « Página Anterior Página inicial